domingo, 15 de outubro de 2017

Jogo: Fatal Frame 1

  Olá metamorphyos! Como vocês estão?! O post de hoje é pra falar um pouco sobre um dos melhores jogos que tive a oportunidade de jogar. Então, vem comigo saber um pouquinho mais sobre a história desse jogo de survivor horror: Fatal Frame.

  Demorei muito para falar desse jogo que me marcou muito, na minha opinião, uma das melhores do gênero. Então, começaremos do principio, do primeiro game apesar de não ter sido ele o primeiro que joguei.
Capa original, detalhe ao baseado em fatos reais.
  Lançado em 2001 para Play Station 2. Fatal Frame também é conhecido como Zero e Project Zero e nesse jogo de survivor os vilões são fantasmas e sua missão é exorcizá-los com uma câmera especial.

  Nesta primeira parte conhecemos Miku, nossa protagonista e Mafuya, seu irmão. Tudo tem início quando Mafuya sai para pesquisar sobre a morte de três pessoas numa misteriosa mansão. Porém, após partir para essa pesquisa, Mafuya também não retorna e Miku resolve procurar o irmão. 
  Ela finalmente chega à floresta e à mansão, conhecida como Mansão Himuro, esta foi palco de diversos relatos de aparições e conhecida por seu passado sombrio.
   Na maior parte do jogo você controla Miku, mas tabém haverão momentos em que você controlará Mafuya. Independente de quem você controlará, notará que não está sozinha nessa misteriosa mansão.

  Você então adquire uma câmera modificada que possui a habilidade de fotografar o além: a Câmera Obscura. Com ela, você consegue enfrentar os espíritos inquietos, ver coisas que não estavam ali no momento das fotos e resolver puzzles.
Fantasmas carismáticos...
  A história do jogo em si ocorre em torno de três rituais praticados pelos antigos habitantes da mansão:

- Demon's Tag ou Marca do Demônio. Esse ritual se baseia numa antiga brincadeira criança, como um pega pega, mas onde uma delas é o Oni (um antigo demônio). Quando outra criança é pega, esta outra é o novo Oni. Deste ritual são escolhidos a "Cega" e a "Sacerdotisa das cordas". O mais bizarro aqui é que essa primeira parte dos rituais acontece quando as crianças, meninas, da família Himuro completavam apenas sete anos de idade. Daí, metamorphyos, vocês podem deduzir que o pessoal dessa mansão não estava para brincadeira.
Ritual do Cegamento.
- Blinding ou Ritual do Cegamento. Após a criança ser escolhida na Marca do Demônio, quando ela se torna adulta, é conduzida a um quarto para ser cega pelos sacerdotes. O Senhor Himura então pega uma máscara com estacas na posição dos olhos e a coloca no rosto da mulher. Deste modo ela fica cega e seu sangue impregnado na máscara. Em seguida, a máscara é posicionada num portão que sela os demônios e espíritos, deste modo os enfraquecendo.
Ritual do Estrangulamento.
- Strangling Ritual ou Ritual do Estrangulamento. Após ser escolhida também na Marca do Demônio, a jovem se torna a Sacerdotisa do Templo das Cordas e é trancada num quarto aonde fica totalmente isolada do mundo exterior para assim, permanecer pura e concentrada em sua tarefa. O tempo do confinamento dura em torno de 10 anos! Além disso, para fazer a manutenção da jovem (como lhe fornecer alimentos) os sacerdotes são incumbidos de sempre estarem com os rostos tampados para que a jovem não se apegue a nenhum e deles. Quando finalmente chega o momento do seu sacrifício, ela é levada a um templo e obrigada a entrar em um poço para que seja purificada com a luz da lua. Após isso, o ritual do estrangulamento continua. As cordas são colocadas nos braços, pernas e no pescoço da mulher, estas cordas são presas a rodas que começam a puxá-las até que a mulher seja desmembrada. As cordas impregnadas de sangue são colocadas para selar o portão do inferno (lembra da máscara que era a chave?!) juntamente com um espelho sagrado e assim o ritual tem sucesso fazendo com o que o portão seja impedido de ser aberto.

  Nossa! Quanta coisa bizarra não?! Ok, não bastasse essa bizarrice toda, vocês devem estar se perguntando, então, por que a mansão está abandonada e qual a dos fantasmas certo? Isso se presumirmos que todos os rituais sempre deram certo... Só que não. Em algum momento algo dá muito errado e um dos rituais não pode ser completado. Desse modo, o senhor Himuro surta.

  Daí pra frente, deixo com vocês se forem jogar que se aprofundem ainda mais nessa história. Afinal, acho que já rolou um bom spoiler não é?!

  Minha opinião sobre o jogo, se você for jogar hoje até que ainda conseguirá se surpreender com os gráficos considerando que seu lançamento foi há 16 anos, e fique atento pois as doses de susto ainda são altas. Não espere um terror cheio de ação, na verdade o apelo fica pros sustos e no psicológico. Alguns fantasmas são bem perturbadores e algumas passagens da história idem. Vale ressaltar também os detalhes da mansão que caracterizam de modo bem fiel as casas dos antigos feudos japoneses. E, sobre a história, é preciso ficar atento pois você pode acabar se perdendo devido a quantidade de personagens e rituais que vão aparecendo pois tudo ocorre meio que ao mesmo tempo. A jogabilidade é fácil, os cenários bem feitos, e a ambientação de transporta para cada cena com maestria.
Suposta mansão Himuro.
  Há rumores também que a história de Fatal Frame foi baseada em fatos reais mas, nunca foi comprovada a existência da Mansão Himuro no Japão. O que não muda o fato do jogo ser assustador.

Título Original: Zero
Título em Português: Fatal Frame
Desenvolvedora: Tecmo
Ano de Lançamento: 2001
Plataforma: PlayStation 2
Jogadores: 1
  E vocês, metamorphyos? Já conheciam esse game? Tiveram a oportunidade de jogar? O que acharam? Ficaram curiosos?! Me contem!

Beijos e até!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá metamorphyo! Se você chegou até aqui, obrigada por ler o post! Comente aqui o que você achou, se gostou ou não, algo que faltou, sugestões, críticas... Vamos conversar a respeito! Afinal, sua opinião é muito importante para nós. Ah sim! Pode comentar e ative a notificação; pois, sempre respondemos os comentário - normalmente aos finais de semana <3!