sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Desafio Imagem/Palavra - De dentro...

  Olá metamorphyos! Fazia tempo que não trazia texto autoral para cá. Como estamos no clima do BEDO, tentei um texto mais sombrio. Espero que gostem.

   Antes de começar, dá o play na música abaixo:


  "Você sabe aonde está? ... Siga minha voz, venha até aqui... Não tenha medo... Ou tenha." - uma voz firme, porém distante. Não conseguia identificar de onde ela vinha.
  Estava num corredor longo. As cortinas pesavam sobre as janelas fechadas enquanto conseguia ver a chuva forte que caía, relâmpagos dividiam a iluminação com as poucas velas dispersas pelos candelabros pendurados na parede. Está frio.
  É involuntário, sinto que meu corpo se move sozinho, pesado, percorrendo este corredor que parece sem fim.
  Um estrondo, levo minhas mãos aos ouvidos. De repente, todas as janelas se quebram e o vento forte penetra o local. As velas se apagam e as cortinas voam de seus suportes. Sinto a chuva fria me tocar e, misturada com o vento, a sensação é quase cortante.
  "Tic, tac, venha, ainda estou lhe esperando..." - novamente aquela voz, dessa vez parecia mais próxima. Estranhamente o vento que vinha por todos os lados subitamente para e o sinto vindo unicamente por de trás, empurrando-me com força.
  Sinto meus joelhos pesarem, é difícil me manter em pé e de repente, cedo, caindo de joelhos dolorosamente. O corredor já não existe mais. Na verdade, tudo está diferente. Uma sala, ampla, aconchegante.
  Uma mão se estende a minha frente, como se me oferecesse ajuda para levantar mas, na penumbra do local não consigo ver seu rosto. Ao mesmo tempo em que sinto medo, algo me diz que está tudo bem e me apoio em sua mão para me levantar.
  - Você sabe por que está aqui? - era aquela voz, ele era o homem o qual eu ouvira antes. Ele se move, quase como se flutuasse, sentando-se numa mesa ao fundo.
  Com um gesto das mãos as luzes se acenderam. Finalmente conseguia ver com mais clareza. A sala me parecia um misto de vitoriana com gótica. Pude sentir uma fonte de calor próxima e, ao olhar para o lado vi a lareira que também havia sido acessa, as chamas reluziam de modo que pareciam seduzir-me.
  - Lhe fiz uma pergunta... Sente-se, vamos conversar um pouco... - e com outro gesto de mão a cadeira a sua frente se moveu para trás dando espaço para que me sentasse. Novamente, apenas senti meu corpo se mover e me coloquei ali, sentada diante dele. Consigo agora claramente ver seu rosto. Uma feição séria, os cabelos perfeitamente penteados para trás num tom prateado, a barba rala por fazer, os olhos - ah os olhos - eram de um tom castanho avermelhado, diria serem quase vinhos e suas vestes impecáveis, um terno milimetricamente ajustado em seu corpo. Ele me fitava, um olhar penetrante.
  - Quem... quem é você? - e essas foram as únicas palavras que consegui reproduzir. Não conseguia entender o que acontecia ali. Ele apenas abriu um sorriso. Um sorriso macabro que fazia com que cada parte do meu corpo arrepiasse. Senti minhas mãos se posicionarem sobre a mesa e nesse instante ele pôs as suas sobre as minhas. Sua mão era gélida.
  Num piscar de olhos aquela cena não era mais a mesma. Suas mãos ainda estavam sobre as minhas e eu ainda sentada porém, ele estava atrás de mim, como se me abraçasse. Suas mãos agora percorriam meus braços vagarosamente parando em meus ombros.
  Um espelho se levantou a minha frente. Não consegui me mover daquela cadeira ou retirar suas mãos de meu ombro. Eu estava pálida, os cabelos bagunçados, nem ao menos havia notado com que roupa estava: um vestido longo, cinza com os ombros a mostra, um grande colar... Me senti estranhamente bela naquela situação, o batom escuro, a maquiagem fria...
  - Vou lhe contar - ele começou novamente - talvez nosso encontro não seja por acaso, talvez eles aconteçam com mais frequência do que você imagine. - ele sustentava novamente aquele sorriso. - Sou aquele que vaga pelas sombras, por caminhos que você jamais compreenderia. Vago entre as almas caídas, entre desejos e desesperos. Aquele que fez da escuridão uma amiga, aquele cujo a morte flerta. Talvez sejamos mais parecidos do que você pense... Posso ver através de você, todo o ódio, toda escuridão que você carrega dentro de si. Masoquista. Sádica... Ah sim, sádica... Tão fria e cruel quanto é bela. Um coração sem remorsos, que não pulsa. Caprichosa em cada pequeno detalhe. Você sabe quem sou? Morte, destruição, ira, ódio, luxúria, cobiça, inveja, medo, fome, guerra, anjo caído, trevas... Eu sou você pequena criança...
 Ele então tirou a mão dos meus ombros e novamente eu não estava no mesmo lugar. Sentia algo quente em minhas mãos dessa vez. Sangue...Olhei a volta: sangue por todos os lados e eu não fazia ideia de onde tudo aquilo vinha. Mas desta vez eu sabia aonde estava. Aquele lugar, eu odiava, quantas coisas ruins me fazia lembrar...
  - Agora você entende?! - ele não estava lá, mas sua voz estava na minha cabeça - somos a mesma pessoa, em cada detalhe. Cada vez que você sente o prazer de flertar a morte e trazê-la para seus desejos. Insana. Você sabe o que fez não sabe? Lhe avisei sobre quem sou, somos... Quando os confins do inferno se tornaram sua casa e que eu faço com maestria todo o seu trabalho sujo. Mas por que sujou as mãos dessa vez?
  - Porque eu finalmente acordei meu caro. - Estranhamente me sentia quente, viva. Sentia ter controle sobre meu corpo novamente, eu sorria.
  Ouvi passos. Uma porta se abre a minha frente. Uma garota, em choro, sentia seu desespero, ela pedia ajuda... "Me ajudem, ele precisa morrer" - foram essas suas palavras.
  Com um gesto pedi para que ela se aproximasse de mim e com as mesmas mãos ensanguentadas toquei seu rosto e olhei em seus olhos e lhe perguntei:
  - Você sabe o preço disso... De que forma deseja ver a morte?...
  Esse texto foi feito para o desafio imagem/palavra do grupo Café com Blog e, a imagem é a que ilustra este poste e a palavra é 'encontro'.

  Espero que vocês tenham gostado. A última frase é uma referência ao anime Hell Girl. Me contem o que acharam, a opinião de vocês nos textos autorais são muito importantes para mim ^^.

Beijos e até!

4 comentários:

  1. Uau!!! Super amei o texto, meio que sombrio rsrs.
    Arrasou na escolha da musica.
    https://blogdajenny2014.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jenny! Tudo bem ctg?! Fico feliz que tenha gostado ^^ isso me motiva bastante a continuar fazendo esse tipo de texto <3 obg pelo carinho. Beijos linda!

      Excluir
  2. Cruzes! É o que posso resumir do sei texto! Bem cara de Halloween. Menina, tu conseguiu me deixar assustada com esse conto, vou te falar! Eu participo do desafio Imagem/Palavra também e confesso que está sendo uma experiência muito boa, viu? E o BEDO eu conheci esse ano e estou apenas acompanhando, mas está muito legal também. Sucesso e que você possa chegar até o final do desafio. Bjks!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hanna ^^ td bem ctg?! Bom, acho que o 'cruzes' rendeu o que eu esperava com o texto srsrsrsr O Imagem/Palavra é ótimo, sai tanto conteúdo bacana e bom, fico sempre encantada com os outros posts. Fico feliz que tenha gostado, acho que posso dizer assim rs, do texto, me motiva bastante <3 e obg pelo carinho ^^ beijos linda!

      Excluir

Olá metamorphyo! Se você chegou até aqui, obrigada por ler o post! Comente aqui o que você achou, se gostou ou não, algo que faltou, sugestões, críticas... Vamos conversar a respeito! Afinal, sua opinião é muito importante para nós. Ah sim! Pode comentar e ative a notificação; pois, sempre respondemos os comentário - normalmente aos finais de semana <3!