quarta-feira, 26 de julho de 2017

Resenha: O Conto da Aia

   Olá metamorphyos! O post de hoje é a resenha de O Conto da Aia, esse livro que tem circulado bastante pela internet nos últimos meses, em especial por causa da estréia de uma adaptação que foi super aclamada. Vem comigo que eu conto pra vocês por que todo mundo só fala sobre ele!

O Conto da Aia (The Handmaid's Tale) - Margaret Atwood
Ano: 1985 | Editora: Rocco | Páginas: 368

   O que torna um livro um instrumento de formação de ideias? Seu poder crítico e reflexivo? A realidade exposta em forma de arte? A beleza das palavras, a fantasia, o sonho (ou pesadelo)? Acho que muitos fatores contribuem na influência que os livros exercem sobre nós e bons escritores sabem explorá-los e nos transformar. Mas e excelentes escritores? É o caso de Margaret Atwood e sua denúncia social traduzida em belas e vívidas palavras, com as quais ela não apenas forma ideias como muda completamente a nossa perspectiva em apenas 368 páginas.
"Por que estou com medo? Não violei quaisquer limites, [...]. É a escolha
que me apavora. Uma saída, uma salvação."

   O futuro é um pesadelo. Não existe mais EUA, apenas a República de Gilead, um lugar devastado pela guerra civil religiosa que fez e ainda faz inúmeras vítimas, inclusive entre aqueles que ainda não nasceram. É que a taxa de fertilidade e natalidade caíram assustadoramente com a exposição à radiação e agora poucas são as mulheres que conseguem conceber, e muito menos são aqueles que conseguem nascer sem alguma deformação grave e com saúde. 

   Apegados à uma religião puritana extremista, os governantes chegam a uma solução: tomar servas (Aias) férteis e distribuí-las entre famílias que desejam um bebê e podem pagar por isso. Verdadeiras propriedades, e muito valiosas, essas mulheres têm suas vidas despedaçadas e esquecidas em um passado não tão distante assim e passam a ser meros objetos de procriação.
"A sanidade é um bem valioso; eu a guardo escondida como as pessoas
 antigamente escondiam dinheiro. Eu economizo sanidade, de maneira
 a vir a ter o suficiente, quando chegar a hora."

   Quem nos conta a história é Offred (mas esse não é o seu nome, apenas uma indicação de posse: Of Fred - Do Fred) com uma narrativa fluída, fácil e direta, como se dialogando conosco. A partir de suas memórias sabemos um pouco do que aconteceu, como tentou fugir com o marido e a filhinha e foram pegos e separados, como seus direitos civis foram reduzidos ao mínimo, o que aconteceu com o país. São lembranças dolorosas e carregadas de tanto sentimento que é impossível não nos emocionarmos.
"Essa é uma das coisas que eles fazem: obrigam você a matar, dentro de você."

   Ainda pior do que sofrer junto com Offred por seu passado, pelo que deixou de ter, é sofrer pelo agora. Margaret Atwood mexe de tal forma com o nosso psicológico que não precisa nem apelar para cenas fortes. Violência, maldades... nada se compara ao horror que sentimos em uma simples caminhada e à apreensão que sentimos com a rotina de Offred. Não vou mentir para vocês, a leitura é pesada. É triste, é amarga, ultrajante, humilhante e cruel. Especialmente se você for mulher. A dor das Aias é a tradução dos medos que sentimos há séculos e está aí até hoje.
"Tenho o pão suficiente de cada dia, então não perderei tempo com isso.
Não é o problema principal. O problema é engoli-lo sem sufocar com ele."

   Mas esse não é um livro "para mulheres". É um livro para todos, especialmente para os homens. É importante que estejamos sempre discutindo esse livro para que a gente nunca permita que esse seja o nosso futuro. É por isso que lemos distopias, tantas vezes pessimistas e revolucionários, para não deixar que o mundo caminhe por rumos tão detestáveis. Apesar de ter sido escrito em 1985, O Conto da Aia é mais atual do que nunca e a realidade que ele descreve, ainda que fantasiosa, é aterrorizante e possível e temos o dever de criticar e questionar. Nós, mulheres, não somos objetos.
"Vendo, pois, Raquel que não dava filhos a Jacob,
teve Raquel inveja da sua irmã, e disse a Jacob:
Dá-me filhos, ou senão eu morro.

Então se acendeu a ira de Jacob contra Raquel e disse:
Estou eu no lugar de Deus, que te impediu
o fruto de teu ventre?

E ela lhe disse: Eis aqui a minha serva, Bilha;
Entra nela para que tenha filhos sobre os meus joelhos,
e eu, assim, receba filhos pro ela."
- Gênesis, 30:1-3

   Por fim, o livro faz uma forte crítica também à religião. Veja bem, não quero levantar polêmicas nem ofensas, mas vemos diariamente o que o fanatismo religioso provoca pelo mundo. A crítica não é direcionada à uma religião em específico, e sim às interpretações tortas que algumas pessoas fazem e pregam e as consequências disso. O perigo da falta de informação e de uma visão mais ampla e o controle que pode ser exercido sobre aqueles que seguem sem contestar. No livro, tudo se baseia em conceitos sem contexto aplicados arbitrariamente como a palavra de Deus. 

   O Conto da Aia não é uma leitura para mero entretenimento, é uma crítica a nós mesmos que nos deixamos levar por governos opressores, que somos esmagados e diminuídos. Que nos calamos diante das diferenças sociais e deixamos que corram soltas, que nos conformamos. E é uma crítica àqueles que exploram cada ponto fraco da sociedade e não são afetados pelas próprias leis. Será que lembra alguma coisa?
NOLITE TE BASTARDES CARBORUNDORUM
Não deixe que os bastardos esmaguem você.


   Essa, sem dúvidas, foi a melhor leitura que eu fiz até agora em 2017 e eu precisava falar sobre ela com vocês. O Conto da Aia é chocante, mas é um choque de realidade que precisamos ter de vez em quando. Ah! O livro ganhou uma adaptação que está maravilhosa e, inclusive, está concorrendo ao Emmy 2017 em várias categorias, The Handmaid's Tale, do serviço de stream Hulu (aqui no Brasil, infelizmente, precisamos baixar para assistir). Vale a pena assistir também!

   Vocês já conheciam O Conto da Aia? Me contem tudo nos comentários! Boa leitura! <3

Beijos e até a próxima!

27 comentários:

  1. Amanda, que resenha espetacular é essa minha filha?
    Preciso desse livro pra ONTEM! Que enredo espetacular, me parece ser uma leitura excelente e, ao mesmo tempo um tapa na cara da sociedade! Preciso ler esse livro e depois refletir muuuuito sobre várias coisas! Sua resenha também ficou maravilhosa e conseguiu me passar exatamente a essência do livro!
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha... "o conto da aia" parece ser muito bom... talvez em breve eu irei ler

    ResponderExcluir
  3. Hey
    Que resenha linda. Me fez sentir curiosidade pelo livro. Não conhecia o livro, agora me impressionei com ele.
    Abraço
    Folha de Pólen

    ResponderExcluir
  4. Existe uma série que tem a mesma temática do livro.
    Acho triste e muito desesperador o que uma mulher não passa por causa de orgulho de algumas família. Puxa, ima gina ser usada para dar um filho a eles..
    A critica social do livro é algo que tem que ser levado em consideração, o fanatismo religioso tem ficado pior e bem perigoso com o passar dos tempos.
    Adorei a indicação do livro e vou querer ler.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. Oii
    Eu acho estas obras super importantes, obras que fazem pensar e mostram criticas sociais. Mas como eu boa pisciana sou muito sensível a tais coisas e prefiro não lê-las. Gosto de ver os comentários que tais livros geram e tudo mais, mas tenho receio de, ao ler, isto afetar muito meu emocional. Como costumo dizer, leio para fugir da realidade, não para me afundar ainda mais nas coisas ruins que estão ai pelo mundo. =)

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  6. É tão bom encontrar a indicação de um livro sobre o qual nunca ouvimos falar nada e, de repente, sentir que preciso ler esse livro urgentemente. Adorei a resenha. E adorei saber desse livro. Vou comprá-lo e lê-lo o mais breve possível. Adorei chegar por aqui! E a dica foi tão boa que vou agora dar uma olhada geral aqui no blog...
    Beijos! :)
    https://teofilotostes.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Oiii Amanda tudo bem?
    Foi tão conhecia o conto que nem sabia da existência menina, eu fiquei babando pela edição e as fotos que tu tirou, sei que seria uma ótima leitura para mim, diante das palavras utilizadas e para serem refletidas.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu li esse livro e fiquei até um pouco assustada, não são só os movimentos políticos, feminista, disso ou daquilo que me assustaram. É que a coisa chegou bem, bem devagar e e protegido por religião, a coisa saiu do controle. Choca, mas é real. Também foi o melhor livro que esse ano!(2017)
    Adorei sua resenha
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Estava vendo esse livro aparecer em vários lugares mas não sabia muito bem do que se tratava. Ainda bem que li sua resenha. QUE LIVRO MARAVILHOSO!
    Estou com raiva de mim mesma por não ter comprado na AmazonDay.
    Parece ser uma leitura incrível, ainda mais por abordar uma visão não muito distante da atualidade né. "Mulher como objeto de procriação" infelizmente assombra nosso passado e presente.
    A resenha ficou maravilhosa! Amei mesmo, quero ler esse livro o quanto antes.
    Beijos!
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
  10. Quero muito ler esse livro e assistir a série também, porque já ouvi muitos elogios aos dois. Acho essa crítica feita pela autora de extrema importância.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  11. Oi. Tudo bem?
    Nossa, embora você comente que o livro vendo contado nos últimos meses, eu ainda não o conhecia. Entretanto, adorei ter a oportunidade de conhecê-lo junto com você. Eu adoro livro que proporciona reflexão e pelo que pude perceber essa é a tônica desse livro. Fiquei bem interessado nele. Espero ter a oportunidade de ler e que tenha ótima experiência assim como você. Adorei a resenha, muito bem escrita.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda, tudo bem?
    Vi esse livro correndo pelas redes sociais e, do nada, explodir! Todo mundo falando sobre ele, e eu não tinha ideia do que se tratava. Por isso, sua resenha caiu como uma luva! Gosto muito e livros que tenham esse propósito mais intenso, que nos tragam mensagens e críticas, que nos façam pensar e repensar! Estou extremamente curiosa para poder ler. Além disso, adorei o modo como o resenhou. Mesmo! Parabéns!

    prateleiradevidro.wordpress.com

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Não tem na Netflix a série? Nossa, estou chocada com a crítica forte que essa história tem, ouvi falar nela por causa da internet, espero ler o livro primeiro, pra depois poder comparar com a série.

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Não conhecia essa obra, mas achei bem interessante a premissa e os elementos usados na trama.
    Vou procurar também pra ver a adaptação cinematográfica.
    Dica anotada!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  15. Admito que li essa resenha por alto, só buscando sua opinião mesmo porque vou fazer essa leitura em agosto.
    Me encantei pela série, e acredito que o mesmo acontecerá com o livro por conta de toda crítica e reflexão proposta.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bom?
    Eu não conhecia o livro, achei a capa linda, as fotos muito fofas e resenha ótima.
    Gosto de histórias que possuem além de uma narrativa boa , criticas bem construtivas, parece que é o caso desse.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Heeeey! Esse livro bombou na internet, teve reportagem nos jornais sobre isso.
    Confesso que antes de ler algumas resenhas não havia me interessado pelo livro, mas hoje ele está na minha lista.
    Fico feliz que tenha gostado.
    Ótima resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Desde que li sobre esse livro que estou quero conferir todas essas questões pontuadas por você. Em todas as resenhas que leio, falam o quanto esse livro nos perturba, nos puxa o tapete do comodismo. Parece ser mesmo um soco no estomago. Espero poder lê-lo em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Quando eu vi a capa desse livro pela primeira vez eu não me interessei pela leitura porque a achei horrível, mas ao começar a ler resenhas e eu passei a ficar curiosa com ele. Gostei da sua resenha e de conhecer um pouco mais sobre o livro.

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bem? Nossa que máximo. Não conhecia esse livro, mas sua resenha me mostrou que preciso ler. Acredito que mais pessoas deveriam já que o livro é uma critica ao fanatismo da religião. É estranho ouvir pessoa que alegam seguir a Deus julgando e excluindo pessoas que não fazem parte da sua religião, se o próprio Deus prega o amor ao proximo como a si mesmo.
    Dica mais que anotada
    Amei

    ResponderExcluir
  21. Olá, tudo bem? Nossa que máximo. Não conhecia esse livro, mas sua resenha me mostrou que preciso ler. Acredito que mais pessoas deveriam já que o livro é uma critica ao fanatismo da religião. É estranho ouvir pessoa que alegam seguir a Deus julgando e excluindo pessoas que não fazem parte da sua religião, se o próprio Deus prega o amor ao proximo como a si mesmo.
    Dica mais que anotada
    Amei

    ResponderExcluir
  22. Uau!!!! Conseguiu fazer com que eu colocasse o livro na minha estante de futuras leituras, amei!!!! Quero muito ler! Já estou emocionada aqui com tanta tristeza!

    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  23. Oiii!

    Eu vi muita divulgação para essa obra, mas confesso que essa é a primeira resenha que eu leio para a mesma e UOU!!! Que sensacional! Sua resenha está bem completa e muito bem escrita, me mostrou quão importante é fazer essa leitura. Já deixei anotado aqui!
    Parabéns pela resenha e por todas as fotos, estão lindas!

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  24. Hey!
    Eu não conhecia o livro e particularmente não me interessei ao ler a sinopse, mas sua resenha me deixou super curiosa quanto ao livro, o grito de socorro que ele dá. Excelente dica, vou procurar pelo livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  25. Olá, tudo bem?
    Muita gente falando sobre esse livro, acho que irá virar série se não me engano, então propositalmente já quero ler também!
    Adorei a resenha, um beijo.

    ResponderExcluir
  26. Olá, tudo bem? Já conhecia o livro por nome, e após esse boom todo, mais ainda sobre ele. Não tive oportunidade ainda de lê-lo mas quero realizar em breve, ainda mais sabendo que ele é o seu favorito do ano. Adoro histórias com carga política e religiosa criticadas. Acho que nos leva a uma maior reflexão sobre. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  27. Oi, tudo bem?
    Confesso que a premissa do livro não me atraiu, não gosto de histórias que envolvam religião, então essa leitura não me agradaria.
    Bjs

    ResponderExcluir

Olá metamorphyo! Se você chegou até aqui, obrigada por ler o post! Comente aqui o que você achou, se gostou ou não, algo que faltou, sugestões, críticas... Vamos conversar a respeito! Afinal, sua opinião é muito importante para nós. Ah sim! Pode comentar e ative a notificação; pois, sempre respondemos os comentário - normalmente aos finais de semana <3!