sexta-feira, 14 de julho de 2017

Resenha: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

  Olá metamorphyos! Como vocês estão? Vem comigo que hoje a resenha é um livro que demorei para comprar por falta de tempo de leitura mas que estava extremamente ansiosa para ter em mãos: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada. Sem mais demorar, vem comigo através de Rede de Flu neste post mágico!

  Primeiramente, calma, vocês estão no post certo apesar de normalmente ser a Amanda que traz as resenhas literárias para vocês. Mas metamorphyos, eu precisava falar com vocês sobre este livro.

  Se achei que tempo seria problema para ler esta obra, engano meu, dois dias, apenas dois dias foram suficientes para que devorasse o livro.

  A Criança Amaldiçoada é um presente nos dado por John Tiffany e Jack Thorne, baseado no universo de J.K. quase 10 anos após As Relíquias da Morte e sua história 19 anos após a batalha de Hogwarts, aonde encontramos o roteiro da peça adaptado para leitura.
  De cara este detalhe já se destaca. Por ser um roteiro adaptado temos uma leitura rápida e limpa ao contrários dos demais livros aonde encontramos descrições ricas e enxutas. Mas isto não faz com que o livro perca seu potencial, apesar de que, como potterhead, na minha humilde opinião, teria espaço para mais sete livros se fosse o caso.

  Apesar da figura Harry Potter ser de longe um nome forte e uma presença que não poderia deixar de existir, nossa história gira em torno de Alvo Severo Potter, o filho do meio de Harry e Gina. E a partir do momento em que o Chapéu Seletor é colocado sobre sua cabeça, nossa história finalmente começa.

"Ele põe o chapéu na cabeça de Alvo - e desta vez parece se demorar
mais - quase como se também estivesse confuso."
  Alvo, ao meu ver, é um menino intenso, de personalidade forte, com opinião apesar de em seu íntimo, de início, um pouco receoso e que carrega o fardo de viver a sombra do nome Potter. Não bastasse, a casa para qual foi designado não foi a tradicional Grifinória de seus pais e irmãos.

  Quatro anos do livro são passados rapidamente e sem tanta importância. Cá estamos então embarcando para o quinto ano após uma última noite com uma discussão calorosa entre Harry e Alvo aonde certas coisas não deveriam ter sido ditas. Quando uma decisão importante é tomada na cabeça de Alvo, sobre o quão certo e errado seu pai esteve em seu passado.

  Neste ponto da história, a amizade entre Alvo e Escórpio se mostra mais do que nunca. E não, você não leu errado, o próprio Escórpio Malfoy, filho de Draco e Astoria. Uma amizade criticada por muitos, inclusive seus pais. Uma amizade que aos olhos das pessoas não faz sentido algum mas essa que foi a base necessária para que os eventos que se sucederam, mesmo que digamos, ruins, não tivessem tomado um rumo ainda pior.
"Você é melhor. É meu amigo, Alvo. E isto significa
aprontar no enésimo grau. O que é ótimo, beleza, só
que... preciso dizer... não me importo de confessar...
tenho um pouquinho... só um pouquinho de medo."
  O livro num todo, como já citei a narração mais corrida, flui de modo espetacular com a maestria de nos transportar para cada ambiente que nossa querida Rowling tem o dom de fazer. Mesclando uma aventura bem dosada de emoções, amizade, aventura e mistério. Mistério o qual envolve principalmente o antagonista do livro e nos mostra como as pessoas podem ser cruéis e enganam as demais sem remorso algum, sem o mínimo apego.

  Neste ponto, tentei ao máximo resumir a trama para evitar os spoiler, pois a mão até coça aqui para implorar a vocês para conversarmos sobre esse livro e falar sobre TUDO o que aconteceu nele. Mas irei me conter. Então, vou falar um pouco sobre algumas coisas e personagens.
  Como falei de Alvo ali em cima, o que dizer sobre Tiago e Lilian Potter (filhos). Apesar de não aparecerem tanto Tiago lembra o próprio pai de Harry: popular, atlético e implicante. De Lilian fala-se menos ainda mas ao que tudo indica uma menina doce que me remete totalmente a Gina.
"Com medo do que ouvirá?
Medo que o nome que teme eu vá falar?
Sonserina não! Grifinória não!
Lufa-Lufa não! Corvinal não!
Não tema, criança, conheço meu ofício,
você aprenderá a rir, se chorar  no início.
Lílian Potter. GRIFINÓRIA!"
  Falando na Gina, bom, ela é aquela mãezona, largou a carreira esportiva mas não amor pelo esporte e é responsável por este departamento no Profeta Diário.

  A família Granger-Wesley, bom ela está bem, ainda continuam casadinhos. E temos a Rosa. Desculpem mas eu não consegui simpatizar com ela. Eu entendo a bronca dela com a família Malfoy de verdade mas o Escórpio é totalmente diferente. Rony, confesso ter achado um pouco apagado na história e Mione, bom, um gênio, brilhante, como sempre!

  Finalmente, Escórpio. Como não se encantar com esse personagem? Ao meu ver um personagem sensível em sua essência, complexo, porém tão bem elaborado que ele te conquista cada momento em que surge. Ainda na família Malfoy, vemos um amadurecimento ainda maior em Draco e que mesmo ao modo dele, ele realmente ama sua família.
" - Primeira pergunta. O que você sabe sobre o torneiro Tribruxo?
- Aaaaaah, um quiz! Três escolas escolhem três campeões
para competir em três tarefas por uma taça. O que isso tem a ver?
- Você é mesmo um tremendo nerd, sabia disso?
- Arrã."
  Sobre o que eu queria falar? Bom, principalmente sobre o relacionamento de Harry com Alvo. É uma relação complicada e Harry não sabe como lidar com filho, como lidar com pai. Talvez o fato de não ter tido a presença paterna por perto deixe ele perdido para tomar atitudes, para saber aonde a amizade com o filho deve entrar e aonde a figura e autoridade paterna deve pesar.
"- Alvo, quero que fique com o cobertor.
- E fazer o que com ele? Asas de fada têm lógica, pai, Capa da
Invisibilidade também têm lógica... Mas isso... sério?! 

Harry ficou meio magoado. Olha o filho, desesperado
para aproximar dele."
  E sim, senti falta de alguns personagens no decorrer do livro mas entendo perfeitamente que na peça de teatro não conseguiram incorporar todos ali. E sim, ainda espero outros livros que preencham essas lacunas ou mostrem os demais.

  Ufa! Harry Potter e a Criança Amaldiçoada foi um abraço quentinho aos corações de todos os fãs da saga ao redor do mudo. Foi como saber que tanto tempo longe nunca tiraram Hogwarts de nossos corações. Foi ser transportada para esse universo incrível, tantos anos depois, e sentir que a magia acontece dentro de nós. É a verdadeira nostalgia do modo mais puro que te envolve. E se, em algum momento eu tive a dúvida se seria bom, céus, como eu estava enganada!

Título Original: Harry Potter and the Cursed Child
Título Português: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada
Autores: John Tiffany e Jack Thorne
Autorizado: J.K. Rowling
Editora: Rocco
Páginas: 352
Amazon | Skoob
"Nunca lutei sozinho, como pode ver.
E jamais lutarei."
  E vocês metmorphyos? Já leram HP e a Criança Amaldiçoada? Ainda não? Pretendem ler? O que acharam? Me contem, por favor, façam uma potterhead feliz, vamos conversar sobre esse livro, ali nos comentários pode rolar spoiler <3

Beijos e até!

Um comentário:

  1. Oie,gostei muito do post e sempre quis saber como era esse livro

    ResponderExcluir

Olá metamorphyo! Se você chegou até aqui, obrigada por ler o post! Comente aqui o que você achou, se gostou ou não, algo que faltou, sugestões, críticas... Vamos conversar a respeito! Afinal, sua opinião é muito importante para nós. Ah sim! Pode comentar e ative a notificação; pois, sempre respondemos os comentário - normalmente aos finais de semana <3!