domingo, 16 de abril de 2017

[Vamos Conversar] Mais do Que 13 Porquês - 13 Reasons Why

  Olá metamorphyos! 13 Reasons Why estreou há duas semanas e a Internet não fala em outro assunto. Cenas explícitas, conteúdo pesado, polêmico e absolutamente triste geraram uma onda de discussões sobre assistir ou não a série. Eu assisti e resolvi compartilhar com vocês algumas reflexões. Então, vamos conversar?

 
Alerta: Contém spoilers.

  Essa não é mais uma série teen. Centrada no suicídio de Hannah Baker, que deixou 13 fitas cassetes com as razões que a levaram a pôr fim à sua vida, entregues aos "porquês", as pessoas que contribuíram para o seu sofrimento, 13 Reasons Why tem a proposta de discutir os gatilhos, triggers, para tal decisão. Bullying, assédio e estupro estão na lista de Hannah, mas será que o debate para por aí?

"Bem vindos à Liberty High".
  Não, não para. Como se não bastasse a adolescência ser a época mais complicada, confusa e sensível de nossas vidas, quando estamos aprendendo a lidar com uma enxurrada de sentimentos novos, quando todas as nossas dores parecem nos engolir e precisamos desesperadamente culpar alguém por tudo que está acontecendo de errado, ainda nos deparamos com a crueldade no ambiente escolar. Sim, todos nós já fomos (ou somos) vítimas de bullying, já presenciamos ou já praticamos, mesmo não conseguindo admitir isso.

  Todos nós erramos em algum momento. Nem todos os porquês da série são cruéis com Hannah, sequer a desejam mal de verdade. Está na natureza do adolescente ser inconsequente, não saber assumir seus erros, culpar outros. Então a série é, também, sobre consequências. "Tudo afeta tudo", e precisamos nos responsabilizar por nossas palavras e atitudes. Erros foram cometidos e levaram Hannah ao isolamento, à humilhação, à vergonha, lhe deram uma reputação injusta e absurda, e não necessariamente havia a intenção. Não existe um reset, e é desesperador descobrir isso nessa fase. Ninguém deveria ter que passar sozinho por isso, como acontece tanto com Hannah quanto com os outros jovens. 

"Talvez seja culpa de todos vocês".
  A objetificação é real e tem efeitos graves. Tratar as pessoas como objetos, dividindo-as em categorias: feias, bonitas, gostosas, fáceis, "a melhor bunda" pode destruir a autoestima e a reputação delas. Há quem ainda acredite que isso é um elogio, tal qual a famosa cantada de pedreiro, mas não é, ser tratada como um pedaço de carne é assustador, nojento, deprimente. Hannah não se sentia desejada por ser bonita, por alguém gostar dela, mas sim por ter a fama de fácil, de vagabunda, levando-a à inúmeras decepções, mágoas e a sofrer o assédio.

  Se não há o SIM, então é NÃO. Ainda existe uma ideia muito errada com relação ao consentimento no ato sexual. Nada justifica o estupro: roupas, ocasião, embriaguez não são motivos. Nenhuma vítima de agressão sexual tem culpa, ninguém "pediu" por isso e tudo que não precisam é do julgamento ignorante da sociedade. Forçar relações com alguém é crime e ninguém deve se calar. O estuprador precisa ser punido.
  Na série, Hannah é interrogada partindo da premissa de ser ela a responsável pela covardia que aconteceu, o que só contribui para a personagem se fechar, e o que já parecia impossível de contar, se torna ainda mais vergonhoso. 

"Tudo afeta tudo".
  O suicídio não é opção. Nesse ponto, gostaria que a série tivesse sido mais clara. "Todos vocês se importaram, nenhum se importou o suficiente", diz Hannah. Na sua mente, ela está sem opções, sem saída, e recorre ao ato extremo para acabar com a sua dor. Hannah, na verdade, é vítima de uma enorme negligência, uma vez que não percebem os sinais - muito claros - que ela apresenta, agravado pela situação na escola e uma condição mental preexistente. A opção, e a solução, é ajuda e tratamento, jamais suicídio.

  Os sobreviventes não são culpados. Reforçando o que eu disse no início, todos nós erramos, e todos erram conosco. Temos que saber lidar com esses erros e consequências, e é muito comum que aqueles que faziam parte da vida de uma vítima de suicídio sintam-se culpados. Não, suas falhas podem contribuir, somar-se ao sofrimento de alguém, mas trata-se de um ato desesperado, complexo, com inúmeros fatores no meio de todo o processo, e atribuir a culpa a alguém em específico é absurdo, doloroso e não leva a lugar nenhum. Falando em consequências, as fitas causam enorme sofrimento a alguns dos porquês, como Justin, Alex e Jéssica. Os três apresentam sinais graves de depressão e pensamento suicida e, novamente, a escola, a comunidade, os ditos amigos, as famílias não estão lá por eles, resultando em outra tragédia no final.

"Uma garota morreu porque eu estava com medo de amá-la".
  Lição de empatia. Tenho visto muitas pessoas se identificando com a Hannah e com o Clay, visualizando neles a dor que sentiram na adolescência (ou ainda sentem). Mas eu proponho aqui uma outra reflexão: será que fomos um porquê para alguém? Não podemos nos esquecer das nossas próprias falhas, e com toda a certeza nós já erramos com muitas pessoas durante a nossa vida. Reflita, repense, não se dê a chance de ser um gatilho para ninguém. Não critique, incentive a melhorar. Não guarde para si, elogie. Às vezes isso é tudo que aquela pessoa pode precisar.

  Um dos grandes acertos da série, nesse sentido, foi humanizar alguns dos porquês, nos mostrar a dor da culpa de cada um e suas formas de redenção, mas não deixe chegar no ponto do arrependimento. Errou? Tente corrigir, ou pelo menos demonstre o quanto lamenta. Não há vergonha em pedir desculpas. "É uma pena que ninguém tenha ouvido antes". 

  É importante que esse debate seja feito, questione-se, sinta-se incomodado, posicione-se, mas não deixe que tudo não passe de uma discussão de momento. 

  Essa foi a minha reflexão pós-série. Qual foi a sua? Conta pra gente!

Se você está sofrendo, passando por um período difícil, 
não recomendo assistir a série.
Procure ajuda!

38 comentários:

  1. Li o livro e vi a série, tirei bastante ensinamentos e refleti sobre muitas coisas. Super recomendo. Gostei da sua opinião e reflexão.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado. =)

      Beijos!

      Excluir
  2. Miga, teu post deu de 10 a 0 no meu hahahaha amei, sério, amei amei amei <3 eu compartilho da mesma opinião que tu sobre tudo nessa série. Concordo que ela não deve ser recomendada pra quem está passando por algo parecido com a Hannah, gatilhos são reais e precisamos admitir isso, mas não concordo com o fato de estarem negativando a série por isso. Acredito que essa série foi feita para os que praticam/praticaram os porquês, não pra quem sofreu. Ela pode abrir os olhos das pessoas e mudar a forma como elas tratam os outros, criando assim um lugar melhor de se viver <3

    Beijos ♡
    misinwonderland.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh obrigadaaa! <3
      Também acredito muito que a série tenha sido feita para alertar sobre o nosso comportamento com os outros. Temos que repensar sobre a maneira como tratamos as pessoas no nosso dia a dia! Fico muito feliz que mais pessoas percebam isso e enxerguem desse modo, me dá esperanças de conseguirmos melhorar como seres humanos.

      Beijos!

      Excluir
  3. Olá! Ainda não assisti à série justamente por ser uma temática delicada para quem já sofreu com esse tipo de problema, mas gostei de ver sua abordagem, bem diferente das que li até agora. Uns falam sobre a irresponsabilidade da abordagem do tema pela série por ser voltada para adolescentes, outros atacam os tais "porquês" como grandes vilões, mas seu enfoque na humanização dos porquês e no que talvez possa ajudar foi bem legal! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabriele! As questões são bem delicadas, sim, mas não condeno a série. Acredito que algumas coisas poderiam ser atenuadas, mas entendo a proposta de cenas explícitas para alertar o quanto tudo que acontece é horrível.
      Muito obrigada e fico feliz de ter conseguido te passar meu ponto de vista, e que você tenha gostado dele. <3

      Beijos!

      Excluir
  4. Terminei de assistir e gostei muito da série. Prendeu a atenção e deu vontade de assistir tudo num dia. OS assuntos abordados são muito sérios e para pensarmos. Para quem tem filho, um grande sinal de alerta. Adorei o post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cíntia! Verdade, tanta coisa se passa na cabeça de um adolescente que é difícil para os pais acompanharem tantas reviravoltas. A série mostra bem o quanto eles têm medo e vergonha de se abrirem, é complicado. É pra ficar alerta mesmo.
      Muito obrigada, viu?

      Beijos! <3

      Excluir
  5. Essa série realmente está sendo muito falada na internet, é uma série que aborda assuntos que ainda mexem com a sociedade. Ainda não assisti mas estou querendo muito ver, eu posso dizer que é a série do ano, Amanda bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Lucimar! A série alcançou muita visibilidade, e é importante essa discussão (saudável) pra que a gente possa refletir sobre essas questões, sobre o nosso comportamento com quem nos cerca.

      Beijos!

      Excluir
  6. Eu preciso de tempo pra assistir essa série, não li todo seu post porque contém spoilers e eu já estou cheia deles antes mesmo de assistir a série rsrsrsrsr, mas tenho certeza que você está abordando os motivos que levaram a jovem protagonista a cometer os suicídio e, como esse tema está presente nos dias de hoje. Não sabemos os números reais, mas milhares de jovem se matam por motivos como os que são citados na série. é algo muito bom de ser discutido, principalmente em escolas que é o ambiente de convívio da faixa etária entre os 12 aos 18 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, eu também recebi um monte de spoilers logo que comecei a assistir! O ambiente escolar, como você citou, por si só já é cruel, né? A pressão, a competição, o cansaço... mas ainda tem esse comportamento hostil dos colegas, as ofensas, as "brincadeiras". Realmente é um alerta para os jovens que provocam essa agressão diária e aos pais, tanto dos que fazem, quanto dos que sofrem.

      Beijos!

      Excluir
  7. Tudo o que você disse é verdade, todos nós cometemos erros, ás pessoas ás vezes nem sabem que aquilo te machucou, só irão saber se você falar, uma boa conversa resolve tudo e não precisa partir para outra coisa, como no caso da Hanna o suicídio, isso é uma das coisas que mais precisam ser discutidas na escola: o bullying e como afeta a vida das pessoas que sofreram e sofrem até hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A comunicação é fundamental, né? Não só do ofendido, mas também de quem ofendeu. Reconhecer, pedir desculpas, desculpar, ou no mínimo desabafar. Isso faz muita diferença.

      Beijos!

      Excluir
  8. Oi Amanda! Tudo bem?
    Pois é, essa série (assim como todo o conteúdo original da Netflix) está super popular na internet.
    Não assisti pois não curto dramas mas adorei sua abordagem e sim, esses seriados nos fazem refletir embora sejam uma forma de entretenimento.
    bjs
    emfluencianoingles.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Tudo ótimo, e você? <3
      Eu gosto muito de entretenimento, seja filme, série, livro, que agregue algo além da diversão, sabe? É muito importante refletir sobre tudo que acontece ao nosso redor.

      Muito obrigada pelo comentário!
      Beijos!

      Excluir
  9. Boa reflexão. Mas como eu disse em um texto, eu acho que estão superestimando demais a série. Ela tem ótimos pontos para conscientização, mas tem falhas, muitas falhas e que são irresponsáveis. Uma das coisas que mais me incomodou na série foi tratar sob o viés de culpa. Eu, particularmente, tive contato direto com uma pessoa com tendências suicidas, eu mesma precisei de terapia uma época por causa dos surtos que ela tinha. Ver uma suicida culpar pessoas que estavam ao redor dela mexeu demais comigo, fez eu voltar naquele tempo e me questionar se eu fui culpada pelas diversas vezes em que minha amiga se cortou ou atentou contra a própria vida. Acho que colocaram a produção numa discussão dicotômica e maniqueísta, ou ela é ótima, maravilhosa ou não presta de maneira nenhuma, quando na verdade, apesar dos pontos negativos (porque ela tem) e aproveitando o gancho das discussões (o que é extremamente positivo), isso coloca em pauta um debate que não pode ser mais protelado ou ignorado.
    Refracao Cultural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barbara! Concordo plenamente. Na minha opinião, o único real culpado na história foi o conselheiro, alguém com a atribuição profissional de ajudar os jovens e que se omitiu quando deveria ter agido. Os sinais eram claros e ele era alguém, teoricamente, habilitado para orientá-la. Nos demais casos, como eu coloquei no post, ninguém em particular é culpado em um caso de suicídio. Atribuir essa culpa é brutal, injusto, cruel. Mas entendo que muitos autores utilizam do recurso extremo entre bem e mal para cativar e deixar claro o próprio ponto de vista.
      Obrigada pela contribuição do seu comentário.

      Beijos!

      Excluir
  10. Todo mundo está falando dessa série e confesso que estou esperando para assistir sabe ? Todo mundo fala que a série é forte e sobre algo forte então estou me preparando, mas tenho certeza que vou gostar ! Ótimo post. Beijos

    Os Papos Femininos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, só se fala nela! Acho sua decisão de esperar até um momento melhor super consciente e certa. Eu me preparei bastante para os últimos episódios, levei bastante tempo pra terminar, mas gostei.

      Obrigada! Beijos!

      Excluir
  11. não acredito que muitas gente fala que é muito bom o seriado, ficou bem famoso, mas ainda não assistir, o semana que vem vou começa assistir, vamos ver que é minha cara.
    riso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii! Obrigada pela sua visita! <3
      Assiste sim, espero que você goste!

      Beijos!

      Excluir
  12. Oi Amanda! Terminei ontem e depois de pensar um pouco, acho que não foi dada a devida abordagem a depressão e ao bullyng. Mas a mensagem sobre a cultura machista e objetificação foi bem contundente. O suicídio não me agradou da forma como foi mostrado, não por ser chocante, achei meio pesado pra quem tá numa bad. Mas a série rende uma boa discussão e é importante sim!
    Até!

    Leonardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leonardo! Eu realmente acho que deveria sim ter sido enfatizado que a Hannah provavelmente já não estava bem a nível psicológico. É uma pena que não tenha sido apresentado um acompanhamento, orientação, se não para a Hannah, pelo menos para os outros meninos que passaram a sofrer também. Não gosto da mensagem do suicídio ser uma saída, porque, como eu disse, não é. Não tem que ser.
      Obrigada por contribuir para a discussão aqui, ela é muito importante sim!

      Beijos!

      Excluir
  13. Olá!
    Assisti a série por indicação de uma sobrinha e já indiquei pra outras parentes. É uma série bem realista e acho que os pais devem assistir para refletirem sobre como estão lidando com essa fase dos filhos. Na minha época não era assim, apesar do bullying existir não era nada preocupante. Meu filho passou pela fase numa boa, eu sempre dizia a ele que ignorasse qualquer comentário maldoso. Trabalhei com pré adolescentes e dizia o mesmo a eles. Mas, hoje, vejo que as coisas mudaram muito. Aqui na minha cidade, pouco antes do lançamento dá série, uma adolescente se suicidou. Desconheço o motivo, mas acredito que as coisas por pior que sejam podem ser resolvidas.
    Enfim, a mente é uma caixa de surpresas. Na série, a Hannah poderia ter agido diferente, os pais a amavam!
    Beijos,
    Cidália.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cidália! Verdade, na minha época também não foi nada tão agressivo, mas a violência aumenta a cada dia de forma geral, né? Inclusive entre os jovens.
      O suicídio é terrível, e pode ter várias causas, e por isso mesmo a gente tem que estar atento, conversar sobre isso. Acredito muito no diálogo aberto. Quanto mais conversamos, mais claras as coisas ficam!

      Beijos!

      Excluir
  14. Vi a serie toda em um dia hahhaha amei, muito Linda e triste, chorei muitooo. A gente tem que ter muito cuidado com as palabras e actors porque pode levar alguem a cometer uma tragedia, beijos lindo blog 💞
    maajuuh.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida! Temos mesmo que ser mais conscientes na forma como tratamos as pessoas, né? Já basta de tanto ódio e violência no mundo.

      Beijos!

      Excluir
  15. Olá! Ainda não assisti à série justamente por ser um assunto delicado para quem já sofreu com esse tipo de problema, mas gostei de ver o seu ponto de vista, foi bem legal! :)
    Gostei muito mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii! Obrigada, fico muito feliz que tenha gostado. <3

      Beijos!

      Excluir
  16. Eu não li o livro e nem vi a série, mas do que ando absorvendo pela internet, percebi que ela abre bem o jogo com questões que machucam, mas que são vistas como "normais" por algumas pessoas. Não tem que ser normal ofender alguém, não pode ser normal fazer brincadeiras com uma pessoa que você não conhece a ponto de saber como ela vai reagir com aquilo. Eu fui vítima disso e já revidei muito pra me defender, machuquei pessoas e fui machucada também e espero que a série seja o estopim pra isso, esse diálogo sobre qual é o limite entre a brincadeira e a ofensa.
    Parabéns pelo post, você fez isso aqui com maestria e eu já te admiro muito 👏👏👏 incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida! Muito obrigada, mesmo, pelos elogios! Acho importante demais a gente conversar sobre esses assuntos, refletirmos sobre nossas ações. Eu também já sofri e já devo ter feito muitos sofrerem, porque, como você (e como muitos) eu também revidei. É um período tão difícil, né, a gente se sente tão sozinha, como se ninguém no mundo fosse nos compreender. Mas alguém compreende, e precisamos conversar. E sim, tem brincadeiras que machucam até mais do que uma ofensa séria, porque te desarmam, você não consegue reagir.

      É uma pena que não tenha assistido à série, recomendo! Apesar de cenas fortes e alguns... problemas de roteiro que me agoniam, é muito boa e nos faz pensar muito.

      Beijos! <3 Você é uma fofa! rs

      Excluir
  17. Oi Bruna! Primeiramente, queria dizer parabéns pois: QUE REFLEXÃO EIN? Você escreve muito bem!
    Agora, sobre a série, eu acho sim que ela nos faz refletir muito sobre muitas questões. Algumas delas tem sido evidenciadas nos últimos meses, como a questão do estupro por exemplo. Para mim, a série foi muito forte e chocante. Passei por uma depressão forte, me afastei do convívio social e até hoje meus pais nem sonham que eu passei por isso. Então, acredito que o debate suicídio-depressão-poblemas psicológicos é muito relevante e thank God está sendo levado em consideração nos últimos dias.
    Mas eu, por já ter passado por isso e conviver com quem já teve depressão, sei que é muito difícil chegar e falar com alguém sobre isso... E quando a pessoa chega no limite do suicídio, é mais delicado ainda pois ela já não aguenta mais sofrer. É complicado.
    Na real, acho que a educação é o princípio básico para evitar esses tipos de coisa. Seja em casa, na escola ou em qualquer lugar, deveríamos aprender sobre isso, conversar, ainda crianças. Afinal, somos condicionados a agir de diversas maneiras o tempo todo, e isso é um assunto muito delicado e tende a provocar uma desconstrução muito grande.
    Oro pra que um dia consigamos atingir uma conscientização satisfatória e significante. E que respeitem, acima de tudo, quem sofre com algum transtorno psicológico.

    Beijos,

    Blog Vestidinho Jeans

    ResponderExcluir
  18. Oi Renata, que textão lindo. <3 Você disse tudo, precisamos de mais diálogo, mais educação, mais conscientização, e isso começa em casa e na escola. Depressão, ansiedade, stress, transtornos psicológicos em geral são enfermidades da mente e precisam de apoio, cuidado e atenção, tanto da família e amigos quanto de especialistas.

    A série foi muito importante pra aflorar esse debate e espero que essa discussão não pare por aí.

    Muito obrigada pelos elogios e pelo comentário! <3
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Assisti a série e fiquei bem envolvida . É interessante em ver o lado dela, pois as vezes fazemos algumas brincadeiras que consideramos " bobas " mas, ninguém sabe o que se passa ali no coração de outra pessoa, talvez essa brincadeirinha pode ser um dos motivos . Por isso acho que devemos nos colocar no lugar da pessoa antes de falar qualquer coisa , e se acharmos que alguém precisa de ajuda, tentar ajudar . Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju! É verdade, algumas brincadeiras machucam, nunca sabemos o que o outro está sentindo.

      Obrigada pelo comentário! <3

      Beijos!

      Excluir
  20. Quem reflexão maravilhosa menina. Espero que essa discussão tenha mais visibilidade, pois abordam assuntos sérios que precisam ser debatidos e resolvidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thayane, muito obrigada! É muito importante que essa discussão vá longe e faça as pessoas terem mais consciência.

      Beijos!

      Excluir

Olá metamorphyo! Se você chegou até aqui, obrigada por ler o post! Comente aqui o que você achou, se gostou ou não, algo que faltou, sugestões, críticas... Vamos conversar a respeito! Afinal, sua opinião é muito importante para nós. Ah sim! Pode comentar e ative a notificação; pois, sempre respondemos os comentário - normalmente aos finais de semana <3!